Notícia

EDUCAÇÃO

Secretaria de Estado da Educação de Alagoas
Quinta, 07 Março 2019 16:40
SUPERAÇÃO

EJA transforma vidas e garante novas oportunidades para jovens e adultos

Aos 74 anos, Benedito dos Santos começou a estudar e não tem vontade de parar

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Benedito voltou a estudar depois dos 70 anos Benedito voltou a estudar depois dos 70 anos Valdir Rocha
Texto de Ana Carolina Lima

A Educação de Jovens e Adultos (EJA) dá às pessoas que não conseguiram estudar ou precisaram abandonar os estudos uma oportunidade de ensino e resgate de conhecimentos. Aluno do Centro Educacional de Jovens e Adultos Paulo Freire (CEJA), em Maceió, Benedito dos Santos, de 74 anos, é um exemplo de que nunca é tarde para retomar a busca pelo conhecimento.
 
 
Natural de Porto Calvo, Benedito Francisco dos Santos começou a acompanhar o pai e o irmão mais velho na colheita de mandioca ainda criança – para seu pai, o trabalho era mais importante que a escola. Por volta dos 16 anos, Benedito e um amigo se mudaram para o município de Paripueira, onde conseguiu emprego em uma indústria local. A visão de seu genitor tinha moldado seu interesse e a escola ainda não fazia parte de sua rotina.
 
 
Quando enfim completou 18 anos, recebeu uma proposta para trabalhar num posto de gasolina de Maceió, onde reside até hoje. Nessa época, deu início aos estudos, mas o horário acabou interferindo na frequência em que assistia às aulas. A profissão de frentista ocupou aproximadamente 17 anos de sua vida e acarretou-lhe problemas de saúde, fazendo com que Benedito se afastasse por invalidez. Mas a vontade de fazer algo o motivou a abrir uma “banquinha” de lanches no Tabuleiro dos Martins.
benedito2 valdir rocha
 
Uma nova chance - Anos se passaram e Benedito ainda tinha vontade de concluir os estudos, anteriormente abandonados. Em 2017, já aposentado de fato, o desejo de aprender voltou à tona e ele se matriculou no Ceja, onde, atualmente, cursa o 8º período do Ensino Fundamental – equivalente ao 9º ano no ensino regular.
 
 
“Passei um bom tempo em casa, sentado no sofá o dia todo. Um dia me deu um estalo e eu pensei ‘por que você não volta a estudar agora?’. Depois de procurar um local onde pudesse estudar, fui orientado a vir para cá. Fiz a prova para ver em qual nível estava, logo depois comecei a frequentar as aulas e estou aqui até hoje, sem planos de parar”, contou o estudante.O amor pela educação é tanto que o estudante não perde uma aula. Seu lugar é sempre o mesmo, na frente, e seus colegas sempre respeitam e deixam a carteira de sua preferência vaga para que ele possa assistir às aulas em seu local preferido. E ele não quer parar na Educação Básica, almejando chegar ao Ensino Superior.
benedito4
 
 
Emocionada e orgulhosa, a diretora adjunta, Angélica Almeida afirmou que Benedito é um dos alunos mais dedicados que ela e o Ceja já conheceram. “Ele vem para as aulas todos os dias, faça chuva ou faça sol. Fico muito emocionada quando ele conta sua história porque ele é um aluno muito aplicado. Quando a gente ama o que faz e convive e escuta pessoas como o senhor Benedito é impossível não se emocionar”, disse Angélica.