Notícia

EDUCAÇÃO

Secretaria de Estado da Educação de Alagoas
Domingo, 08 Março 2020 14:10
SEMANA DA MULHER

Escolhidas por meritocracia, gerentes regionais falam dos desafios das mulheres educadoras

Selecionadas para o biênio 2019-2020, gestoras tiveram papel importante na articulação para melhoria dos índices educacionais alagoanos

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Dos 13 gerentes regionais, 11 são mulheres Dos 13 gerentes regionais, 11 são mulheres José Demétrio e Valdir Rocha
Texto de Ana Paula Lins

Desde 02 de maio de 2019, treze educadores alagoanos assumiram uma nova missão: estar à frente das Gerências Regionais de Educação (Geres), órgãos que funcionam como pequenas representações da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), fazendo a ponte entre a secretaria, escolas estaduais e todas as demais redes de ensino. Em 2019, eles também desempenharam papel importante no avanço dos índices educacionais alagoanos. Deste grupo de educadores, onze são mulheres. Nesta reportagem, elas falam dos desafios da função e de como aliar a sensibilidade e a visão femininas em prol de melhorias para a rede estadual de ensino.
 
Responsabilidade – Escolhida para comandar a 10ª Gere – que engloba os municípios da Região Norte – Fabiana Verçosa fala da responsabilidade do cargo. “A mulher tem assumido importantes papeis na sociedade brasileira e , em especial, na alagoana. Ser Gerente Regional de Educação é mais uma conquista resultante de um trabalho de coragem, compromisso e comprometimento com a Educação pública alagoana. Hoje é motivo de orgulho ser  representante regional de Educação na Região Norte de Alagoas”, frisa a educadora, que foi diretora da Escola Estadual Sebatião Felisberto, na Barra de Santo Antônio.
 
Fabiana Maria da Silva Verçosa 10 gere foto José Demétrio1
 
Diretora da Escola Estadual Anália Tenório, em Olho d’Água Grande até o início de 2019, a gerente da 9ª Gere, Maria Cristina Boia, encara com determinação o desafio de gerenciar as escolas de Penedo e do Baixo São Francisco. “Assumir uma Gere, gerenciar uma equipe não é tarefa fácil, mas, nós, mulheres, buscamos fazer isso da melhor forma possível, com um olhar diferenciado, afável e inspirando o próximo a acreditar no seu potencial”, opina.
 
Maria Cristina do Nascimento Bóia Araújo 9 gere 1
 
Poder transformador - Selecionada pelo seu trabalho como coordenadora pedagógica da Escola Municipal Vereador José Wilson Melo do Nascimento, em Coruripe, Heline Mariane Rocha, titular da 2ª Gerência Regional de Educação – que abrange o litoral sul - diz que a data de 08 de março é duplamente especial: além do Dia da Mulher, ela comemora seu aniversário.
 
Heline Mariane Rocha Batista 2gere foto José Demétrio 3
 
“Ser mulher é um presente de Deus e tenho exemplos em minha família que me inspiraram como ser humano e educadora.  Minha avó e minha mãe são mulheres fortes e independentes que são exemplos de profissionais na educação. Com elas, aprendi que a educação é a arma mais poderosa para se transformar a sociedade. Como mulher e educadora, minha missão é contribuir para um mundo melhor”, afirma.
 
Com sete municípios do Vale do Mundaú sob sua responsabilidade, Simone Campos, da 7ª Gere, também acredita no poder transformador das mulheres educadoras. 
 
Maria Simone Bezerra Campos de Alencar 7 gere foto José Demétrio
 
“A mulher, com seu olhar diferenciado, percebe no magistério a chance de mudança de toda uma sociedade.  Tive outras oportunidades de emprego, mas eu queria estar na vida de outras pessoas, contribuir de alguma forma, e, de maneira efetiva e afetiva. Isso se encaixava perfeitamente na profissão professor. No magistério, posso empreender e buscar nos meus alunos potencializar as oportunidades de transformações para um futuro melhor”,  reflete Simone, escolhida para função em virtude de seu desempenho como diretora da Escola Estadual Jorge de Lima, em União dos Palmares.
 
Dupla função - As gerentes regionais também falam do duplo desafio de muitas mulheres educadoras: o de conciliar os cuidados com a sua família e a sua comunidade escolar, sendo sempre um exemplo positivo para ambas.
 
Taciana Gomes Ferreira da Silva 13 gere foto José Demétrio
 
“Para mim, é um grande privilégio poder educar e contribuir para o sucesso de meus familiares, alunos e amigos. Educamos pelo nosso exemplo, compreendendo e respeitando o próximo. Ser educadora no século XXI é estar disposta a dizer não quando necessário, mostrar o caminho e incentivar o outro a desenvolver as suas potencialidades. A influência positiva de uma mulher pode ser inspiradora e é capaz de mudar vidas”, afirma Taciana Gomes, ex-diretora da Escola Estadual Maria Amália, em Fernão Velho e, atualmente, gerente da 13ª Gere, que abrange quase 60 escolas do Cepa e Alta Maceió.
 
Carleane Chagas Santos 11gere foto José Demétrio
 
Carleane Chagas, titular da 11ª Gere, que engloba Delmiro Gouveia e região, também fala do olhar maternal das educadoras em relação a seus alunos. “Ser mulher educadora é dar continuidade em sua missão de mãe com os filhos das demais pessoas. E dar às nossas crianças e adolescentes uma atenção, um cuidado e uma responsabilidade de melhorar o intelecto e também a parte humana de cada um, é acreditar que a educação pode mudar a vida dos nossos alunos”, avalia Carleane, selecionada pelo seu trabalho frente à Escola Estadual Luiz Bastos, de Canapi.
 
Maria de Fátima Santos Silva 8 gere foto José Demétrio
 
Também do sertão, Maria de Fátima Santos, titular da 8ª Gere – que compreende Pão de Açúcar e demais municípios da Bacia Leiteira –  enumera os vários papéis desempenhados pelas mulheres e como eles contribuem para uma sociedade melhor. “São muitos os desafios , conciliar  diversas atividades, dar resultados e ainda manter o equilíbrio não é fácil. Mas a mulher tem uma capacidade incrível de superação, criatividade e muita determinação. Esse é sem dúvida o segredo para tantas conquistas, especialmente, na área da Educação, onde estamos a cada dia fazendo a diferença”, observa.
 
Privilégio - Lidiana Gomes, gerente da 1ª Gere – que contempla a Baixa Maceió, Marechal Deodoro e Paripueira – e Marta Tavares, gerente da 6ª Gere, que abrange Santana do Ipanema e região – consideram um privilégio ser mulher e educadora.
 
Lidiana Gomes Costa 1gere foto José Demétrio
 
“Uma mulher educadora traz consigo todo um sentimento de amor e dedicação ao próximo. Nós mulheres fazemos a diferença por termos um olhar de zelo, paciência, e sobretudo, de amor. Exercer o que tanto amo, que é fazer educação, tem todo um significado na pureza e na alma de uma mulher. Somos fortes, batalhadoras e guerreiras”, ressalta Lidiana, que foi diretora da Escola Estadual Miran Marroquim, no Jacintinho, e, atualmente, trabalha com mais de 50 unidades de ensino.
 
Maria Marta Tavares da Silva 6 gere foto José Demétrio
 
Com 40 anos dedicados à educação pública, Marta pensa igual. “Ser mulher, mãe e educadora é poder expandir esse misto de amor, sensibilidade, compromisso e virtude. Agradeço a Deus pelo privilégio de ter contribuído para a educação de tantos jovens que foram meus alunos”, diz Marta.
 
Empoderamento – Ex-secretária de Educação dos municípios de Arapiraca e Pão de Açúcar, Ana Valéria Peixoto diz que assumir a 5ª Gere, que atende Arapiraca e os municípios vizinhos, é um desafio que a orgulha e que fortalece o empoderamento feminino na educação pública.
 
Gerente da 5 gere Ana Valeria Peixoto Fotos Valdir Rocha 6
 
“A mulher educadora tem um olhar ampliado para a nova ordem social, enxergando o cidadão e inspirando-o a sonhar, lutar e transformar a sua realidade por meio da educação. Ela se empodera na educação a partir do momento em que ajuda crianças, jovens e adultos a mudarem suas vidas e construírem uma sociedade mais justa”,  enfatiza Valéria, ex-diretora da Escola Estadual Izaura Antônia de Lisboa.
 
Claudean Vitorino Ferro 3 gere 2
 
Também no Agreste, Claudean Ferro, titular da 3ª Gere, que abrange Palmeira dos Índios e região, destaca o simbolismo da data. “Dia 08 de março é uma data para homenagear as mulheres que, com inteligência e garra, vencem todas as dificuldades e, por meio da educação, lutam por uma sociedade mais igualitária”, resume Claudean, que foi diretora da Escola Estadual Manoel Passos.