Notícia

EDUCAÇÃO

Secretaria de Estado da Educação de Alagoas
Sexta, 22 Maio 2020 21:15
INOVAÇÃO

Ferramentas lúdicas enriquecem aprendizado de alunos da Educação Básica

Tema foi abordado em transmissão feita pela Seduc nesta quinta-feira (21) em suas redes sociais

Compartilhe:

  • Facebook
  • Twitter
Ferramentas lúdicas enriquecem aprendizado Ferramentas lúdicas enriquecem aprendizado Fotos: Reprodução
Texto de Ana Paula Lins

Jogos para ensinar matemática. O teatro para explicar conteúdos de química e ciências. A música fortalecendo a aprendizagem de língua portuguesa e estrangeira. O cinema para compreender sociologia, filosofia e história. Ferramentas que fogem do tradicional, mas que podem ser fortes aliadas para a prática pedagógica do professor. Com a implantação do Regime Especial de Atividades Escolares Não Presenciais (REAENP), as atividades passaram a ser à distância e distribuídas em laboratórios de aprendizagem, onde os professores trabalham de forma integrada. Um destes laboratórios é de Atividades Lúdicas e esse foi o tema de transmissão realizada pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc) nesta quinta-feira (21) em suas redes sociais.

Mediada pela Professora Doutora Juliane Medeiros, formadora da 13ª Gerência Regional de Educação (Gere), a live contou com a participação da Professora Doutora Viviane de Oliveira, do Instituto de Matemática da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e do Professor Doutor Marlon Soares, do Instituto de Química da Universidade Federal de Goiás (UFG) e abordou diversas formas de tornar o aprendizado mais dinâmico e divertido.

Relatos – Viviane e Marlon deram exemplos de como se usar a ludicidade para aprimorar a aprendizagem.

“Já presenciei poemas e revistas em quadrinhos sendo usadas com sucesso no ensino da matemática. É muito importante também trocar experiências com outros professores, um aprender com o outro”, aponta Viviane.

Já Marlon Soares citou um exemplo a partir de uma das ferramentas mais usadas pelos professores nestes últimos dias, o Google Sala de Aula (Classroom). “Numa aula de química, por exemplo, o professor pode pedir para os alunos fotografarem itens com ferrugem, postar no Google e abrir um fórum sobre os diversos tipos de oxidação”, sugere.

Desafios – Viviane e Marlon também falaram dos desafios do uso das atividades lúdicas no ensino remoto e da necessidade de se reinventar enquanto docente.

“Nesta época em que estamos nos comunicando à distância, o professor deve elencar quais atividades ele deseja promover e avaliar como as mesmas podem ser adaptadas para estes tempos de isolamento. É importante também trabalhar de forma integrada, unindo várias disciplinas”, destaca Viviane.

“É preciso ousar, quanto mais ousar, mais vai errar, quanto mais errar, mais vai aprender e quanto a gente aprende com o erro. Permitam-se errar e ousem ludicamente, pois, errando e aprendendo, nós nos tornamos melhores professores”, aconselha Marlon.

Biografia –O Professor Marlon Soares é um pesquisador da utilização das atividades no ensino-aprendizagem, tendo inclusive obra publicada sobre o tema – o livro “Jogos e Atividades Lúdicas para o Ensino de Química”.

Já a Professora Viviane de Oliveira coordena o projeto de extensão Sem mais nem menos, que visa incentivar o gosto pela matemática a partir de um conjunto de ações, as quais incluem o desenvolvimento de materiais didáticos  para a melhor compreensão do conteúdo e diferentes habilidades, assim como a interação entre professores e alunos da Educação Básica com docentes da Ufal. Professores de matemática interessados em participar do programa podem fazer sua inscrição até o dia 24 de maio pelo link https://sem-mais-nem-menos.webnode.com/inscricao/.